download uTorrent 2.0 build 17774 RC3

on Comments: (5)


uTorrent 2.0 build 17774 RC3


"Chegou o beta da segunda versão do cliente de torrent mais leve e fácil de usar que você já viu."


Agora não há mais motivos para temer os tão comentados e utilizados arquivos torrent. Com o µTorrent, o download desses arquivos torna-se fácil para qualquer pessoa. Muitos usuários não utilizam as redes de torrent devido à maneira como se fazem os downloads. Ao contrário de outras redes em que os arquivos são encontrados e simplesmente baixados, os arquivos torrent necessitam que um pequeno arquivo com os dados de fontes seja carregado previamente, o que gera muita suspeita para quem é leigo no assunto.
Novidades incorporadas até o momento
Como você deve saber, versões beta sempre trazem novas funcionalidades, mas ainda não estão completamente prontas. Ou seja, conforme os testes forem se desenvolvendo, novas alterações poderão ser feitas, bem como problemas antigos e bugs novos serão corrigidos. O usuário, no entanto, não notará diferenças entre a versão atualmente disponível e a 2.0 Beta, que ainda está em desenvolvimento. As maiores alterações são de caráter interno, ou seja, correções em pequenos problemas, ajustes e melhorias na programação e forma como o µTorrent trabalha. Veja abaixo algumas das novidades:
— Melhoria no sistema de gerenciamento da conexão, para que o impacto do cliente de torrent não seja tão grande, ou seja, a ideia é não deixar mais que os seus torrents atrapalhem a navegação.
— Muitos serviços de internet banda larga estão limitando a quantidade de dados que você pode transferir por mês. Como downloads por torrent são ladrões de franquias de dados, o µTorrent teve uma adição interessante, permitindo que você defina um limite de dados. Assim, quando tal limite for atingido, o programa irá parar os trabalhos de download para não estrapolar os limites impostos pelo serviço contradado.

Nova função para habilitar o controle de dados.

— Foi adicionado um assistente que testa as configurações da sua rede, para verificar se as portas de comunicação necessárias para o bom funcionamento do µTorrent estão devidamente abertas.
— Muitas outras mudanças foram feitas em relação às versões anteriores, mas elas terão reflexos quase imperceptíveis para o usuário.
Versátil e Eficaz
Não há motivo para preocupação. Estes pequenos arquivos funcionam como uma espécie de guia que fornecem as coordenadas para o download, tais como: endereço da fonte, nome do arquivo e tamanho. A função de um cliente torrent, portanto, é a de executar esses pequenos guias e iniciar o download, de modo que você possa gerenciá-lo e acompanhar o seu progresso.
Rapidez
Clientes torrent podem atingir excelentes velocidades.A grande vantagem dos arquivos torrent em relação a downloads diretos está no mecanismo de distribuição, o qual compartilha automaticamente os pedaços baixados por cada usuário, minimizando (e muito) o uso do servidor. Deste modo, todos compartilham trechos do arquivo entre si e elimina-se o problema com filas para download, encontrado frequentemente em servidores diretos.
Praticidade
µTorrent não requer instalação e permanece na barra de sistema (ao lado do relógio), ocupando menos de 6MB de memória RAM! Mesmo sendo tão portátil, oferece inúmeros recursos para o controle de downloads, bem como definição de prioridades e informações sobre as fontes. Além disso, conta com uma interface muito agradável e de fácil uso, com botões ilustrados muito bem definidos.
Recursos



  • Múltiplos downloads simultâneos.



  • Configurar e agendar tarefas.



  • Limitação de velocidade global ou por arquivo.



  • Continua downloads pausados rapidamente.



  • Download de RSS.



  • Suporte a Mainline DHT.



  • Download de múltiplos arquivos ao mesmo tempo.

    Não perca mais tempo na fila de espera por downloads. Utilize o µTorrent para baixar seus arquivos e comprove sua eficiência junto a dados torrent!
    A UNIÃO BITTORRENT E UTORRENT
    Se você conhece os clientes BitTorrent e µTorrent e percebeu muitas semelhanças entre eles nas suas últimas versões — mais semelhanças que o normal entre clientes torrent —, tudo pode ser facilmente explicado. Afinal, não se trata de uma mera coincidência. O criador do BitTorrent, Bram Cohen, anunciou, em dezembro de 2006, que havia comprado o µTorrent, concorrente mais leve e com recursos inovadores.
    Em 2007, o BitTorrent lançou a primeira versão do programa que conta com as melhorias trazidas pelo µTorrent. Além disso, poucos dias antes, o próprio µTorrent também foi lançado com os benefício de seu comprador.
    O BitTorrent trouxe de seu ex-concorrente a base da interface, além dos conteúdos dos menus na barra deles. Isso significa que funções avançadas, como aprimorar a sua interface Web, foram finalmente adicionadas ao BitTorrent. Outro benefício “importado” foi a leveza. Uma das principais características do µTorrent é que ele quase não exige nada de seu sistema, e o BitTorrent se aproveitou disso e ficou mais leve também.
    Essa união gerou um dos melhores compartilhadores do mercado.
    Ambos possuem rastreador RSS e barra de pesquisas, mas é justamente aí que os dois programas seguem caminhos diferentes. O µTorrent direciona suas buscas no MiniNova, enquanto que o BitTorrent busca no site homônimo, que possui a maior parte de seu conteúdo pago. Além disso, o BitTorrent oferece o serviço Get Stuff, com links para filmes, TV, música e jogos, tudo no site do cliente.
    Não há sinais que Bram Cohen vai abandonar um dos dois clientes. Um desses sinais é o fato de que o BitTorrent continua com o código aberto e o µTorrent continua com o mesmo fechado. O simples fato de manter dois programas distintos também indica essa preocupação de não acabar com nenhum deles.
    Em discussões em diversos fóruns, comenta-se que o µTorrent poderia ser uma versão portátil do BitTorrent, mantendo este último como uma versão convencional para desktop. No entanto, não há nada que confirme esses boatos.

    OBSERVAÇÃO IMPORTANTE: esta é a versão 2.0 Beta, o que significa que erros ainda podem ocorrer, pois o programa não está totalmente estável.

    Download do setup + tutorial
    tamanho: 335 kb

    clik na foto

    DOWNLOAD BitTorrent 6.3 build 16973

    on Comments: (1)



    BitTorrent 6.3 build 16973

    Para mim um dos melhores compartilhador p2p

    Com BitTorrent, você experimenta uma forma interessante e eficiente de baixar tudo o que quiser da internet. São milhares de arquivos de música, filmes e jogos à sua disposição, numa rede que já atingiu mais de 135 milhões de usuários e não pára de crescer.

    Podendo acessar arquivos provenientes do mundo inteiro, você tem entretenimento garantido a qualquer hora do dia, e melhor, gratuito, pois BitTorrent não custa nada!

    velocidade com qualidade!

    Como funciona?

    Através de um protocolo próprio, o programa utiliza o conceito P2P (Peer-to-Peer) para conectar usuários a um tipo de compartilhamento de dados bastante efetivo. Diferente dos outros programas do ramo, o BitTorrent permite você baixar cada arquivo em pequenos fragmentos aleatórios, de modo a tornar os seus downloads muito mais rápidos.

    Cada usuário contribui com uma parte do arquivo que escolheu baixar e, não havendo ordem no recebimento de dados, somente mais tarde todos os “pedaços” são organizados para poder usá-los realmente em seu computador. Enquanto isso, todos contribuem com a rede, mesmo com os arquivos que não tiveram seu download concluído. Assim, não há filas de espera e nem sobrecarga do servidor, pois, na verdade, você baixa todos os arquivos diretamente dos outros usuários.


    Em suma, o sistema é bastante democrático, pois cada um contribui com o que pode e recebe proporcionalmente à sua contribuição. Ou seja, a sua taxa de download será sempre proporcional à de upload e, assim, todos saem ganhando.

    Como usar?

    Para usar, você precisa seguir apenas alguns passos básicos, mas que requerem um pouco de paciência. Primeiramente, deve procurar o arquivo que deseja, num site especializado em torrent — no programa não há sistemas de buscas específicos, por isso você mesmo deve ir atrás do arquivo de origem —.

    O arquivo de formato “.torrent” possui as informações necessárias para que o compartilhamento seja iniciado, incluindo o local de origem e uma seqüência verificadora da integridade do arquivo. Assim, após abrir o arquivo .torrent, você inicia o download, podendo acompanhar o seu andamento constantemente.

    Vantagens e características gerais:





  • Os melhores arquivos da internet podem ser baixados com muita praticidade.



  • Não há filas de espera e nem sobrecarga do servidor, garantindo muito mais rapidez.



  • Ao interromper um download, ele continua exatamente de onde parou e você não precisa reiniciá-lo sempre que a conexão cessar.



  • Muitas fontes diferentes que contribuem para a rapidez da conexão e para a grande variedade de arquivos disponíveis.



  • Suas próprias criações podem ser compartilhadas e divulgadas gratuitamente.



  • É mais seguro, pois não usa uma pasta de compartilhamento que pode ser infectada facilmente, como nos outros programas.



  • É grátis!


  • A UNIÃO BitTorrent E uTorrent

    Se você conhece os clientes BitTorrent e µTorrent e percebeu muitas semelhanças entre eles nas suas últimas versões — mais semelhanças que o normal entre clientes torrent —, tudo pode ser facilmente explicado. Afinal, não se trata de uma mera coincidência. O criador do BitTorrent, Bram Cohen, anunciou, em dezembro de 2006, que havia comprado o µTorrent, concorrente mais leve e com recursos inovadores.

    Recentemente, nove meses depois do anúncio da união de forças, o BitTorrent lançou a primeira versão do programa que conta com as melhorias trazidas pelo µTorrent. Além disso, poucos dias antes, o próprio µTorrent também foi lançado com os benefício de seu comprador.

    O BitTorrent trouxe de seu ex-concorrente a base da interface, além dos conteúdos dos menus na barra deles. Isso significa que funções avançadas, como aprimorar a sua interface Web, foram finalmente adicionadas ao BitTorrent. Outro benefício “importado” foi a leveza. Uma das principais características do µTorrent é que ele quase não exigir nada de seu sistema, e o BitTorrent se aproveitou disso e ficou mais leve também.

    Ambos possuem rastreador RSS e barra de pesquisas, mas é justamente aí que os dois programas seguem caminhos diferentes. O µTorrent direciona suas buscas no MiniNova, enquanto que o BitTorrent busca no site homônimo, que possui a maior parte de seu conteúdo pago. Além disso, o BitTorrent oferece o serviço Get Stuff, com links para filmes, TV, música e jogos, tudo no site do cliente.

    Não há sinais que Bram Cohen vai abandonar um dos dois clientes. Um desses sinais é o fato de o BitTorrent continua com o código aberto e o µTorrent continua com o mesmo fechado. O simples fato de manter dois programas distintos também indica essa preocupação de não acabar com nenhum deles.

    Em discussões em diversos fóruns, comenta-se que o µTorrent poderia ser uma versão portátil do BitTorrent, mantendo este último como uma versão convencional para desktop. No entanto, não há nada que confirme esses boatos.


    Bittorrent é um dos programas mais utilizados do mundo pelos usuários eu desejam baixar os mais variados tipos de arquivos para o seu computador utilizando a tecnologia chamada P2P (Peer-to-Peer). Este protocolo basicamente cria uma grande rede conectando computadores dos usuários de forma direta, evitando assim hospedar os arquivos em um único servidor, o que torna o trabalho de tirar os mesmos do ar muito mais simples.
    A tecnologia funciona basicamente como a cola desta rede, sendo que os arquivos ficam espalhados pelos computadores de todo mundo que possui este arquivo. Mas este tipo de protocolo também fragmenta os arquivos em pequenos pedaços, e quando os usuários começam a fazer o download, na verdade ele está baixando diversos pedacinhos de arquivo de diversos computadores diferentes.
    O Bittorrent funciona um gerenciador de downloads deste tipo de arquivo. Um dos principais diferenciais quando comparado com os mesmos programas do mesmo segmento é a velocidade com que o download é feito, e também a conexão que é bastante robusta, não caindo o tempo inteiro.

    Como usar o BitTorrent?

    O programa é relativamente simples de ser utilizado, mas ele não é recomendado para as pessoas que não tenham um conhecimento mínimo de informática e de internet, especialmente para conseguir diferenciar o que pode e o que não pode ser um tipo de vírus. Isso porque os usuários terão que pesquisar, na web, arquivos que permitem com que este download seja feito.
    Existem diversos tipos de sites especializados em torrentes, mas grande maioria deles são estrangeiros. Além disso, muitos deles contam com uma série de propagandas, que podem acabar fazendo com que as pessoas instalem coisas que não gostariam, como as barras de navegador, que alteram diversas opções de configuração destes programas sem que os usuários queiram.
    Mas o Bittorrent também oferece uma busca interna, que permite com que os usuários encontrem os arquivos para baixar. Neste caso, ele é enviado para outros sites que estejam disponibilizando este arquivo. Ele não precisa ser baixado, já que eles contam com uma opção chamada Magnet Link, que permite com que ele seja automaticamente aberto no torrente.

    Aplicativos interessantes

    O Bittorrent também oferece, na sua versão mais recente, uma série de aplicativos muito interessantes, que ajudam as pessoas que estão baixando arquivos. É o caso do Torrent Tweet, que mescla o programa com sua conta no Twitter, informando seus contatos sempre que estiver baixando alguma coisa nova.

    Como criar um ponto de restauração no windows XP

    on Comments: (0)



    Bem, no universo da Informatica,aprendi que prevenção e melhor que correção, e uma dica importante tanto para iniciantes ou fera é a seguinte: Antes de instalar qualquer programa na sua maquina,crie um ponto de restauração no sistema para evitar dissabores futuros.


    1. Clique no menu Iniciar, depois em Todos os programas ; Acessórios ; Ferramentas do sistema ; Restauração do sistema

    Para criar um ponto de restauração

    1. Para abrir Sistema, clique no botão IniciarImagem do botão Iniciar, clique com o botão direito em Computador e clique em Propriedades.
    2. No painel esquerdo, clique em Proteção do sistemaÉ necessário ter permissão do administradorSe você for solicitado a informar uma senha de administrador ou sua confirmação, digite a senha ou forneça a confirmação.
    3. Clique na guia Proteção do Sistema e clique em Criar.
    4. Na caixa de diálogo Proteção do Sistema, digite uma descrição e clique em Criar.
    2. Marque a opção Criar um ponto de restauração e clique em Avançar


    3. Na tela seguinte, você precisa apenas determinar uma breve descrição para este ponto de restauração. Clique em “Avançar” para continuar.




    4. A última tela é apenas uma confirmação. Em vermelho, aparecem as informações sobre o ponto de restauração recém-criado. Basta clicar em Fechar e seu sistema estará pronto para ser restaurado quando você quiser.

    Restaurando o sistema
    Se você criou um ponto de restauração, teve problemas com algum aplicativo e deseja reverter a situação, basta seguir estes passos:
    1. Clique no menu Iniciar, depois em Todos os programas > Acessórios > Ferramentas do sistema > Restauração do sistema



     2. Marque a opção “Restaurar o computador mais cedo” e clique em “Avançar”



    3. Na tela exibida, você verá um calendário. Nele estão marcados todos os dias que têm restaurações de sistema disponíveis. Lembre-se que o Windows cria pontos de restauração automaticamente. Além disso, instalações de programas também criam pontos de restauração. Por isso que há várias opções nesta hora. Você pode ir diretamente para a data da criação do seu ponto de restauração manual, utilizar a restauração mais recente ou utilizar uma anterior a uma instalação que não deu certo.



    4. Clique em “Avançar” para continuar.



    A próxima tela exibe o ponto de restauração selecionado e lhe informa sobre alguns detalhes que você deve saber:
    a) Você não perderá documentos ou mensagens de email.
    b) Este processo é reversível.
    c) Durante a restauração, seu computador será desligado. Logo, você deverá fechar todos os programas em execução e salvar seus trabalhos.
    d) A restauração do sistema não substitui o processo de desinstalação de um programa. Para isso, você deve utilizar o recurso “Adicionar/Remover Programas” no Painel de Controle ou o próprio desinstalador do software.
    5. Pronto. Ao reiniciar o computador, você será informado sobre a restauração. Caso nenhuma alteração tenha sido encontrada, nada será feito. Caso contrário, você será informado sobre o quê foi modificado e poderá usar seu computador normalmente.



    Tutorial HJ-Split

    on Comments: (0)



    Tutorial HJ-Split

    "Divida qualquer arquivo, de qualquer tamanho, em quantas partes desejar e depois una tudo novamente."

    Comentario: Quando vc baixa um arquivo da internet, e o mesmo vem em duas partes ou mais e vc quer unir estas partes,há duas situações para tal.
    ex:um filme baixado.
    Qual o formato do arquivo?

    1-Rar(zip)compactado.
    R:Neste caso o winrar resolve o problema,ele extrai,descompacta e junta as partes (veja tutorial)

    2-Aberto (descompactado) ou seja,o filme aparentemente já vem pronto para rodar e as vezes vc até consegue se tiver o K-Lite Mega Codec Pack(media player classic)rodar a primeira parte,mas sem os recursos de avançar e retroceder,já as outras partes quando vc tenta rodar não consegue.(não confundir com cenas distintas) É ai que entra o HJ-Split(programa apropiado para tal) que ofereçe tambem a possibilidade de fazer o contrario, ou seja dividir o filme em varias partes(para upload de arquivos menores).

    Vejam o tutorial

    HJ-Split é um pequeno software capaz de dividir arquivos de todos os tipos, de modo a transformá-lo em várias partes pequenas para serem gravadas em CD, DVD, enviadas por email e muito mais.
    Para partir seus arquivos em quantas partes desejar, você só precisará indicar o tamanho máximo de cada uma das divisões. Desta forma, ele irá separar o seu arquivo grande em diversas partes do tamanho selecionado por você.

    Sem problemas com tamanhos

    Muitas vezes, quando você vai gravar um arquivo em um CD/DVD é impossível, devido ao tamanho ocupar um espaço maior do que o suportado pela mídia. Este problema ocorre também no momento de enviar um arquivo por email ou de hospedar algo nos inúmeros sites de armazenamento gratuito disponíveis na internet.
    Normalmente, tanto os provedores de email, quanto os sites de armazenamento gratuito possuem um limite de arquivos a serem anexados em seus serviços. Portanto, se aquilo que será compartilhado ultrapassa este valor, você ficará impossibilitado de fazê-lo.


    Usando o HJ-Split

    Além de útil, o HJ-Split é muito simples. Na janela principal do programa estão dispostas todas as suas opções. Para cortar seus arquivos em várias partes, selecione “Split” e uma nova janela surgirá. Nesta nova tela, você deverá inserir o arquivo a ser particionado, selecionar também o seu local de destino e ainda definir o tamanho máximo de cada parte (“Split file size”).
    Depois disso, clique em “Start” e aguarde o software realizar sua tarefa. É importante ressaltar que isso pode demorar um bocado, afinal, quanto maior for o arquivo dividido, mais tempo ele levará para que todos os cortes sejam realizados. De qualquer modo, o HJ-Split trabalha numa velocidade razoável.

    Selecione o arquivo, defina o tamanho de cada parte e mande cortar 

    Reunindo as partes

    Independente do motivo que levou você a escolher dividir um único arquivo em diversas partes, cedo ou tarde será necessário reuni-las novamente, de modo a tornarem-se uma única coisa outra vez. Isso é feito através do próprio HJ-Split. Para isso, selecione a opção “Joins” na tela inicial do programa.
    Outra vez, uma nova janela será aberta. Lá, ao invés de selecionar um arquivo inteiro ou todas as partes da divisão, será preciso apenas indicar o primeiro arquivo de todo o particionamento. Se todos os demais arquivos estiverem no mesmo diretório, eles serão adicionados e utilizados automaticamente durante o processo de junção das partes. Ao final deste procedimento, seu arquivo se encontrará intacto e pronto para uso.

    Outros recursos

    Além de dividir e posteriormente juntar arquivos, o HJ-Split também é capaz de outras duas coisas. Com ele, você poderá comparar arquivos semelhantes, de modo a notar as suas diferenças (acesse esta opção em “Compare” na tela inicial) e também verificar a sua integridade através da soma de verificação (opção “Checksum”). Estes demais recursos funcionam da mesma maneira que os citados anteriormente.

    *Sistema operacional Windows XP/Vista/98/2000/2003
    *Antes de instalar o HJ-Split você pode criar um ponto de restauração do Windows, assim, se não gostar do programa ou se ele não funcionar corretamente, você pode simplesmente restaurar o sistema para um ponto anterior à instalação do programa (clik aqui)

    download(CLIK ABAIXO)
    SETU HJ=Split


    tamanho:335 kb

    DOWNLOAD
     



    Diferença nas qualidades dos filmes (CAM,TS,TC, AVI, DVDRIP.... )

    on Comments: (46)



    Diferença nas qualidades dos filmes (CAM,TS,TC, AVI, DVDRIP.... )


    Saiba como será a qualidade do filme que você vai baixar, no que se refere a imagem e som. As diferenças acontecem porque os filmes são copiados de maneiras diferentes. Quanto mais recente for o filme (alguns são disponibilizados antes mesmo de chegarem aos cinemas), menor será sua qualidade de som e imagem, devido à precariedade dos recursos utilizados para obtê-lo, com tanta antecedência.


    Entenda melhor cada uma das siglas mais utilizadas para qualificá-los:

    CAM
    O CAM é um “rip” feito no cinema, normalmente com uma câmera digital. Às vezes é usado um tripé, mas na maioria das vezes isso não é possível, deixando a filmagem tremida. Devido aos lugares disponíveis no cinema também não serem sempre no centro, pode ser filmado com ângulos diferentes. Se cortado (cropped) adequadamente, é difícil diferenciar, a não ser que tenha legendas na tela, mas muitas vezes os CAM são deixados com bordas pretas na parte de cima e de baixo da tela. O som é gravado com o microfone embutido da câmera e, especialmente em comédias, risadas são ouvidas durante o filme. Devido a esses fatores, a qualidade de som e imagem costumam ser muito ruins, mas as vezes, com sorte, o cinema está quase vazio e apenas baixos ruídos serão ouvidos.

    TELESYNC (TS)
    Um telesync tem as mesmas características de um CAM, só que usa uma fonte externa de áudio (normalmente um fone de ouvido na poltrona para pessoas que não ouvem bem). Uma fonte de áudio direto não garante uma boa qualidade de áudio, pois muitos barulhos podem interferir. Muitas vezes um telesync é filmado em um cinema vazio ou da cabine de projeção com uma câmera profissional, gerando uma melhor qualidade de imagem. A qualidade varia muito, por isso veja um sample (amostra) antes de baixar o filme por completo. A maior parte dos Telesyncs são CAMs que foram rotuladas de forma errada.

    TELECINE (TC)
    Uma máquina de telecine copia o filme digitalmente dos rolos. O som e a imagem costumam ser muito bons, mas devido ao equipamento e custos envolvidos, os telecine são muito raros. Geralmente o filme estará com o aspect ratio (proporção) correto, apesar de existirem telecine de 4:3 (tela cheia). TC não deve ser confundido com TimeCode , que é um contador visível e fixo durante todo o filme.

    SCREENER (SCR)
    Uma fita VHS prévia, enviada para locadoras e vários outros lugares, para uso promocional. Um screener é fornecido de uma fita VHS e normalmente em 4:3 (tela cheia), apesar de alguns screener com faixas pretas já terem sido lançados. A maior desvantagem é um “ticker” (uma mensagem que aparece na parte de baixo da tela com os direitos autorais e um telefone anti-pirataria). Além de que, se a fita tiver algum número de série, ou qualquer outra marca que possa denunciar a origem da fita, esses terão de ser escondidos, normalmente com uma faixa preta em cima. Isso costuma durar apenas uns segundos, mas infelizmente, em alguma cópias, dura o filme inteiro e alguns podem ser bem grandes.

    R5
    R5 se refere a um formato específico de DVD região 5. Em um esforço para competir com a pirataria, a indústria decidiu criar esse novo formato que é produzido mais rápido e mais barato do que os tradicionais DVDs. O que os difere dos DVDs tradicionais é que os R5 são tranferidos diretamente de um telecine sem qualquer tipo de processamento de imagem, e sem nenhum adicional. Às vezes os DVDs R5 são lançados sem áudio em inglês, exigindo que os grupos de pirataria usem o áudio de outra fonte. Nesse caso o release possui a descrição “.LINE” para distinguir daqueles que possuem o áudio do original. A qualidade da imagem de um R5 geralmente pode ser comparada com um DVD screener. No final de 2006 alguns grupos como o DREAMLIGHT, mSs e PUKKA passaram a nomear seus Releases de “.R5″ e sugeriram a outros grupos que fizessem o mesmo.

    DVD-SCREENER (DVDscr)
    Mesmas condições do screener, mas com uma fonte de DVD. Normalmente com letterbox (faixas pretas), mas sem os extras que o DVD final (de venda e/ou aluguel) possa ter. O ticker não costuma ficar nas faixas pretas, e pode atrapalhar a visão. Se o “ripador” tiver o mínimo de conhecimento, um DVDscr deve sair muito bom. Normalmente passado pra SVCD ou DivX/XviD.

    DVDRip
    Uma cópia do lançamento final do DVD. Se possível, é lançado na internet antes mesmo do DVD de venda e/ou aluguel ser lançado. A qualidade deve ser excelente. DVDrips são lançados em SVCD e DivX/XviD.

    Blu-Ray
    Blu-ray, também conhecido como BD (de Blu-ray Disc) é um formato de disco óptico da nova geração de 12 cm de diâmetro (igual ao CD e ao DVD) para vídeo de alta definição e armazenamento de dados de alta densidade.

    É o sucessor do DVD e capaz de armazenar filmes até 1080p Full HD de até 4 horas sem perdas. Requer obviamente uma TV de alta definição (Plasma ou LCD) para exibir todo seu potencial e justificar a troca do DVD.

    DVD-R
    Cópia do DVD Original.

    VHSRip
    Feitos de VHS de venda e/ou aluguel, sendo a sua maioria os lançamentos de filmes de esportes e de XXX.

    TVRip
    Episódios de TV que são de redes (capturados usando cabos digitais/satélite) ou de “PRE-AIR”, que usam as fontes de satélites que mandam o programa pelas redes com alguns dias de antecedências.

    PDTV/HDTV
    Os PDTV são capturados de uma TV com cartão PCI DIGITAL, normalmente gerando os melhores resultados. Muitas vezes vemos o rip rotulado como HDTV também, mas as diferenças entre esses dois termos são apenas técnicas. Os grupos costumam lançar em SVCD, apesar de rips em VCD/SVCD/DivX/XviD serem aceitos nos rips de TV.

    WORKPRINT (WP)
    Um workprint é uma cópia do filme que ainda não foi finalizado. Pode conter cenas faltando, música, e a qualidade pode variar de excelente a muito ruim. Alguns WPs são diferentes da versão final (Homens de Preto está faltando todos os aliens e tem figurantes em seus lugares) e alguns tem cenas extras (Jay and Silent Bob). WPs podem ser boas aquisições para a coleção uma vez que já tenha em mãos a versão final.

    DivX Reenc
    Um DivX re-enc é um filme que foi retirado do VCD e reencodado num pequeno arquivo DivX. Normalmente são encontrados nos compartilhadores, e são renomeados como Filme.Nome.Grupo(1of2). Grupos famosos são SMR e TMD. Esse formato não vale o download, a menos que você esteja incerto sobre um filme e quer apenas uma versão de 300MB.

    Watermarks
    Muitos filmes vem de Asian Silvers/PDVD (veja abaixo) e esses são marcados pelo pessoal responsável. Usualmente com uma inicial ou um pequeno logo, geralmente num dos cantos. Os mais famosos são as marcas d’água “Z” “A” e “Globe”.

    Asian Silvers / PDVD
    São produzidos por contrabandistas e são comprados por alguns grupos que vendem como se fossem deles. Silvers são baratos e facilmente encontrados em muitos paíes, e é fácil sair um release, e é o motivo de ter tantos por aí no momento, principalmente de grupos pequenos que não duram mais que alguns lançamentos. PDVDs são a mesma coisa, mas postos num DVD. Eles têm legendas à parte, e a qualidade usualmente é melhor que os silvers. São ripados como um DVD normal, mas são lançados como VCD normalmente.

    SVCD
    SVCD é baseado em MPEG-2 (como no DVD), que permite maiores taxas de variáveis até 2500kbits em uma definição de 480×480 (NTSC), que descomprimida em uma relação de aspecto de 4:3. Devido ao bit-rate variável, o comprimento que você pode ocupar em um único CDR não é fixo, geralmente entre 35-60 min.

    VCD
    É um formato baseado em MPEG-1, com um bit-rate constante de 1150kbit em uma definição de 352×240 (NTSC). VCD’s são usados geralmente para obter de uma qualidade mais baixa com o objetivo de tamanhos menores. VCD’s e SVCD’s são cronometrados nos minutos e não em MB, assim que ao olhar um, parecer maior do que a capacidade de disco e na realidade pode cabe 74min em um CDR74.

    XVCD / XSVCD
    Estes são basicamente VCD/SVCD melhorados. São ambos capazes de definições e de melhores taxas, muito mas elevadas. Muito difícil de se encontrar.

    KVCD e KSVCD
    KVCD é uma modificação ao padrão MPEG-1 e MPEG-2. Habilita criar CDs de 120 minutos com qualidade perto do DVD em CDs de 80 minutos. Porém já existe especificações que geram vídeos de 528×480 (NTSC) e 528×576 (PAL) e MPEG-1 com bitrate variável entre 64Kbps e 3000Kbps. Usando um resolução 352×240 (NTSC) ou 352×288 (PAL), é possível “encodar” vídeos com até 360 minutos com qualidade perto de um VCD num CD de 80 min.

    KDVD
    Formato de arquivo 100% compatível com MPEG_2, capaz de rodar em qualquer DVD Player Standard. Esta tecnologia habilita 6 horas de filme em Full D-1 720×480 num DVD, ou algo em torno de 10 horas em Half D-1 352×480 no meso DVD.

    AVI
    Audio Video Interleave. Formato de vídeo mais usado em PCs com o Windows. Ele define como o vídeo e o áudio estão juntos um ao outro, sem especificar um codec.

    MPEG
    É a abreviação de Motion Picture Expert Group e é a fonte de pesquisa para formatos de vídeo em geral. Este grupo define padrões em vídeo digital, estão entre eles o padrão MPEG1 (usado nos VCDs), o padrão MPEG2 (usado em DVDs e SVCDS), o padrão MPEG4 e vários padrões de áudio – entre eles MP3 e AAC. Arquivos contendo vídeo MPEG-1 ou MPEG-2 podem usar tanto .mpg quanto .mpeg na extensão.

    OGM
    Pode ser usado à uma alternativa ao .avi e pode conter Ogg Vorbis, MP3 e AC3 áudio, todos os formatos de vídeo, informação por capítulos e legendas.

    VBR
    Bitrate Variável. É possível “encodar” áudio e vídeo com bitrate variável, o que não usa o mesmo bitrate para o arquivo inteiro (como no CBR = Bitrate Constante). Partes mais complicadas do vídeo/áudio vão receber mais bitrate para que a aparência/sonoridade seja melhor, e assim como partes menos complicadas irão receber menos bitrate. Geralmente arquivos com VBR são melhores que outros que contém CBR.

    Bitrate
    Bitrate está diretamente ligado à nitidez (qualidade) do filme/música. Quer dizer que em formatos de compressão de áudio e vídeo como MPEG3 e MPEG4, quanto maior for o bitrate mais vezes por segundo o som ou filme original estará sendo reproduzido. O bitrate pode variar, sendo que taxas mais altas de bitrate criam som/vídeo de melhor qualidade.

    Aspect Ratio Tags
    WS – Widescreen (letterbox)
    FS – Fullscreen

    Codec
    É a abreviação de COder/DECoder ou codificador/decodificador. Equipamento ou programa que converte os sinais analógicos de som, voz e vídeo em sinais digitais e vice-versa. São exemplos de codecs: DivX, XviD (video) e MP3/AC3 (som).

    DivX / XviD
    Dois codecs de última geração sendo o DivX mais antigo. Estão baseados no formato de compressco MPEG-4, compressão de vídeo de alta qualidade. Alguns chamam o MPEG-4 de “MP3 do vídeo”. Com os arquivos em DivX você poderá assistir os filmes com qualidade de DVD som de CD, no seu PC. XVid já possui uma tecnologia melhor que o DivX, portanto necessita de PCs mais potentes para rodar. XViD é melhor que o DivX.

    NTSC / PAL
    NTSC e o PAL são os dois padrões principais usados através do mundo. NTSC tem um frame mais elevado do que o PAL (29fps comparado a 25fps), mas o PAL tem um definião de melhor qualidade. Os dois tipo de padrões podem ter variações, sendo que no Brasil usa-se o padrão PAL-M e nos EUA o NTSC, para TVs, vídeos-cassete, DVDs.

    AC3
    Codec de áudio conhecido como Audio Coding 3, é melhor que o Mp3 e é sinônimo para o Dolby Digital hoje em dia. Utilizado em alguns filmes com mais de 2 CDs, devido ao seu tamanho maior.

    AAC
    Advanced Audio Coding, será o sucessor do AC3. É baseado no AC3, mas acrescenta uma variedade de melhorias em diversas áreas. Atualmente é difícil encontrar um player ou hardware que suportem esse novo formato de áudio.

    BIN / CUE
    Bin e Cue são dois arquivos pertencentes à uma imagem de CD-R/RW ou DVD. Alguns releases de SVCD E VCD são lançados nas imagens dos próprios CDs. Para abri-lo você pode usar tanto o Daemons tools (note que não nescessita da Cue para fazê-lo se você alterar para mostrar todos os arquivos, ele abrirá o BIN) ou queimá-lo com o Nero ou CDRWin. Aconselha-se o CDRWin, por ser o programa que cria esse tipo de imagem.

    Expressões encontradas:

    PROPER
    Devido aos critérios, quem lançar o primeiro Telesync ganhou a corrida (por exemplo!). Mas se a qualidade desse release for ruim, devido alguns problemas na imagem ou som, e outro grupo tem outro telesync (ou a mesma fonte, mas em melhor qualidade) então a expressão PROPER é adicionada para evitar equívocos. PROPER é a expressão mais subjetiva encontrada, e as pessoas geralmente pergutam se o PROPER é melhor que a versão original. Muitos grupos lançam o PROPER em atos de desespero, para não perder a corrida. Um motivo para o PROPER deve ser sempre incluso no .NFO.

    UNRATED
    Versão sem cortes.(Normalmente os vídeos são editados para conseguir um classificação etária mais ampla nos cinemas, já em DVD são lançados completos)

    LIMITED
    Um filme limited significa que ele tem um número de exposições em cinemas limitados, normalmente estreando em menos de 250 cinemas. Geralmente filmes pequenos (como filmes de arte) são lançados nesse estilo.

    INTERNAL
    Um release interno é feito por vários motivos. Grupos clássicos de DVD fazem muito isso, visto que eles não serão trapaceados. Também rips de má qualidade são feitos nesse estilo, para não baixar a reputação do grupo, ou devido ao grande número já existente do filme. Um lançamento interno é disponibilizado normalmente em sites afiliados ao grupo, mas eles não podem ser trocados com outros sites sem a devida permissão. Alguns INTERNALs ainda correm pelo IRC/Newsgroup, dependendo da popularidade. Há alguns anos, o grupo Centropy começou a lançar releases internos, mas num sentido diferente do INTERNAL, isto é, lançava somente para membros do grupo e não o disponibilizavam.

    STV
    Straight To Video. Filmes ripados de DVD que nunca foram para o cinema, caíram direto para as locadoras e TVs.

    ASPECT RATIO Tags
    As expressões de formato são:
    WS = Widescreen (letterbox)
    FS = Fullscreen.

    REPACK/RERIP
    Se um grupo lança um rip ruim, eles irão re-lançá-lo, o qual virá com os problemas corrigidos.

    NUKED
    Um rip pode ser “NUKADA”, banida por diversas razões. Se o grupo lançar como TeleSyncs, por exemplo, e não tem nada de “TeleSyncs”, ou o filme tem uma diferença na qualidade do áudio, outro exemplo, a partir de X minutos de filme. Então o nuke global ocorrerá e o grupo perderá seus créditos. Verifique sempre antes os releases para não pegar algo que foi banido, por má qualidade por exemplo. Se um grupo perceber que há algo errado com uma versão, eles podem requisitar um nuke.

    Razões para o NUKE
    BAD A/R – Relação de aspecto, distorção do filme. Personagens aparecem muito largos ou finos.
    BAD IVTC – Processo de inversão telecine, conversão de framerates está incorreto.
    BAD FPS – Não segue o padrão de quadros por segundo vigente.
    INTERLACED – Linhas pretas no movimento como a ordem do campo estão incorretas.

    DUPE
    Duplicada, já foi feito lançamento deste filme anteriormente. Dupe é bem simples, se algo já existe, então não há razão para ele ser lançado de novo sem uma razão séria.

    SE (special edition)
    Edição Especial

    DC (director’s cut)
    Versão do diretor.

    NFO
    Um arquivo de NFO é fornecida com cada filme ou jogo para promover o grupo e dar informação geral sobre o release, tal como o formato, a fonte, o tamanho, entre diversas informações. NFO = Informações

    SyncFIX
    Pacote que conserta a sincronia entre áudio e vídeo de um filme.

    RarFIX
    Quando o release contém algum dos arquivos .rar defeituosos o grupo lança um RarFIX, contendo, na maioria das vezes, apenas o arquivo que estava com problemas.

    SFV
    É fornecida também par cada disco um arquivo SFV. Estes são usados principalmente no local (FTP) para verificar se todos os arquivos estão completos.
    Programas: pdSFV ou o hkSFV

    Subbed
    Ripagem com subtitle (legenda), local de origem do filme (poderá ser até em chinês).

    UnSUBBED
    Quando foi liberado uma versão, com legenda, e após esta, liberada outra sem legenda.

    Definições em arquivos de séries:

    Lost.SxxExx.[HR-HDTV]HDTV.XviD.[PROPER]-LOL/XOR/CTU/NBS

    Sxx – Temporada xx (exemplo S02 – temporada 2)
    Exx – Episódio xx (exemplo E24 – episódio 24)

    HDTV (High Definition TV) – Sinal capturado duma fonte de alta qualidade, O Som destas emissões no país é 5.1 mas nas releases da LOL/XOR só nos chega com 2.0 (stéreo). Os primeiros receptores de TV apresentavam 240 linhas de vídeo. Actualmente, um monitor analógico de boa qualidade apresenta entre 525 e 625 linhas. Na televisão digital de alta definição, chega-se a 1080 linhas com o padrão HDTV.

    XviD - Codec de compressão de vídeo utilizado. É o codec mais famoso que aí anda por ser inicialmente um hack do DivX, mas de código aberto e de livre utilização (ao contrário do DivX que é pago [pelo menos as versões para criar ficheiros comprimidos]).

    LOL, XOR, CTU, NBS, (e muitos outros) são os grupos da scene que ripam os episódios.

    [PROPER] – Se alguma coisa está mal com o anterior rip, (áudio fora de sincronia, vídeo com má qualidade, faltam imagens, etc etc) é lançada a versão PROPER por um grupo diferente. Se a nova versão for lançada pelo grupo inicial trata-se de um REPACK.

    Sincronizar legendas

    on Comments: (0)




    Sincronizar legendas

    Abaixo vai um tutorial com dois métodos para sincronizar legendas desincronizadas. No primeiro você indicará a primeira e a última "fala" do vídeo, então o Subtitle Workshop fará a sincronização automática. No segundo, caso você tenha uma legenda em outro idioma sincronizada corretamente, basta você fornecer essa legenda ao Subtitle Workshop que ele faz a sincronização da sua legenda em português automaticamente.

    Método 1
    Com o Subtitle Workshop aberto, faça o seguinte.
    - Vá no menu "File" e escolha "Load subtitle".
    - Na janela que abrir você escolherá a legenda que você quer sincronizar. Após escolhe-la, clique em abrir.
    Agora você deve prestar atenção em um detalhe, se a legenda que você abriu estiver na mesma pasta do arquivo de vídeo e tiver o mesmo nome desse arquivo, o vídeo abrirá automaticamente, o que significa que você não precisa fazer o próximo passo.
    - Agora que você abriu a legenda, é hora de abrir o arquivo de vídeo correspondente a essa legenda. Vá no menu "Movie" e escolha "Open". Na janela que abriu, escolha o arquivo de vídeo e clique em abrir. Assim que fizer isso, o vídeo começará a ser executado automaticamente, pare a execução clicando em Stop .

    - Agora você terá que ver o vídeo até o momento que acontecer a primeira fala. Assim que você ouvir a primeira fala pause imediatamente o filme clicando no botão de Pausa .
    Então, com o filme pausado, clique na primeira linha da legenda e em seguida clique no botão .
    - Agora que você indicou a primeira fala do filme, é hora de indicar a última. Vá para o fim do vídeo, e no exato momento que a última fala do filme começa a ser é dita, pause e clique em . Após você clicar indicando a última fala, aparecerá uma janela lhe perguntando se os pontos de sincronização estão corretos. Clique em sim.
    - Agora volte para o inicio do filme e teste para ver a legenda está corretamente sincronizada. Se tudo correu bem, vá no menu "File" e clique em "Save".
    - Pronto. Sua legenda agora está sincronizada e salva.
    Método 2
    Esse método é bem mais simples, se você tem uma legenda desincronizada em um idioma, mas tem uma sincronizada corretamente em outro idioma, faça o seguinte:
    - Vá no menu "File" e clique em "Load Subtitles".

    - Na janela que abrir, escolha a legenda que você quer sincronizar e clique em abrir.

    - Agora vá no menu "Edit -> Timings -> Adjust -> Adjust to synchronized subtitles".

    - Na janela que abriu, escolha a legenda que está em outro idioma com a sincronização correta e clique em abrir.

    - Agora vá no menu "File" e clique em "Save".
    Pronto. Agora sua legenda está sincronizada corretamente.

    OU

    Acompanhe este tutorial e aprenda como sincronizar a legenda com a fala do filme. Além de garantir que nenhum diálogo será perdido, você ainda poupa o tempo que perderia buscando por outras versões de legenda.

    Passo 1. Antes de executar o filme no reprodutor, é importante que o arquivo de vídeo e o arquivo de legenda (.srt) estejam na mesma pasta e com nomes iguais.


    Passo 2. Execute o arquivo de vídeo no VLC Media Player. Caso o passo anterior tenha sido seguido, a legenda com o mesmo nome do filme será automaticamente detectada.
    Passo 3. Com o filme escolhido aberto no VLC, clique em “Ferramentas” e, em seguida, em “Sincronização da Trilha”.

    Passo 5. Insira o valor correspondente ao tempo de dessincronia no campo Áudio/Vídeo ou Legenda/Vídeo e clique no símbolo com duas setas azuis, no canto superior direito.Passo 4. Marque a diferença de tempo entre a legenda e a fala e escolha entre atrasar/adiantar a legenda ou o áudio do filme, de acordo com a necessidade.
    Pronto! Agora é só clicar em "Fechar" e aproveitar o Filme !

    Emulando e Gravando CD's ou DVD's

    on Comments: (0)


    Emulando e Gravando CD's ou DVD's


    Para quem já baixou o torrent e o arquivo está em formato .iso vou ensinar aqui como gravá-los ou emula-los.

    Gravação
    Primeiro passo:
    Você antes de tudo deve verificar o tamanho do arquivo .iso a cada um arquivo deste corresponde a apenas um CD ou DVD, clique com o botão direito do mouse e vá em propriedades como mostrado abaixo.



    Note que a area que selecionei mostra o tamanho do arquivo o que irá definir se você vai usar cd ou dvd para gravar. (verde - mais comuns / vermelho - menos comuns)
    até 740Mb - CD-R de 750Mb até 4.70Gb - DVD-R (Existe também o DVD+R recomendo apenas o -)
    de 4.70Gb até 8.10Gb - DVD-R de 8Gb (Nem todos os gravadores gravam neste tipo de mídia apenas os dual-layer) mais de 8.10Gb - Bluray (Apenas para que tem gravadores para este tipo de midia)

    Segundo Passo:
    Utilize o programa que veio junto com seu gravador para abrir estas imagens e grava-las, o meio de como fazer isso não tem muito segredo basta achar a opção no menu principal de seu programa algo escrito como "gravar imagem de disco" ou algo parecido.
    Depois de selecionar siga as instruções do programa e insira a midia requerida.

    Terceiro Passo: Após efetuada a gravação retire e coloque novamente o cd, pronto seu jogo está pronto para ser instalado.


    Emulando
    Para que não tem gravador de midias acima de 4.70Gb ou nem mesmo tem gravador a única solução é emular o cd ou dvd. Mas o que é emular antes de tudo? Simples, é criar um driver fantasma em seu computador o qual vai ser capaz de rodar o arquivo .iso como se fosse um cd ou dvd de verdade.

    Primeiro passo:
    Baixe um programa que emule estes tipos de arquivos, não tem segredo mas vou recomendar um aqui que utilizo a anos e é recomendadissimo.


    Segundo Passo:
    Instale o programa seguindo as intruções. (Vai ser necessário a reinicialização do computador para concluir a instalação)

    Terceiro Passo:
    Defina a quantidade de drives de cd fantasmas que você quer em seu sistema (recomendo apenas 1). Para isso veja a imagem abaixo.



    (o ícone vermelho corresponde ao daemon tools)



    Quarto Passo:
    Agora depois de definido o número de dispositivos iremos finalmente emular a imagem.



    Passo 1:






    Passo 2: (selecione montar imagem para poder emular o cd)






    Passo 3: (selecione o arquivo desejado)






    Passo 4: (está pronto é só usar)


    Como Embutir Legenda no Filme

    on Comments: (0)



    Como Embutir Legenda no Filme

    Tutorial para quem não sabe juntar a legenda com o filme na hora de assistir.
    É muito simples, confira abaixo!

    1º - Se você ainda não possui os programas abaixo, Baixe-os:
    - VobSub_2.23:
    - K-lite Codec Pack:

    2º - Instale os Programas Acima.

    3º - Crie uma Pasta com o nome do filme e coloque dentro a Legenda e o Filme!

    4º - Coloque o Nome de ambos (filme e legenda) iguais, sendo que a legenda terá o final ".srt", como mostra a figura abaixo:



    5º - Confira se a Seta Verde (Indicada na Figura Abaixo), aparece na área notificada.



    6º - Rode o Filme e Pronto! ;)


    Há muito tempo que ando para criar este tutorial. É extremamente importante ter no blog, pois a maioria não sabe onde estão as legendas dos filmes.
    Neste tutorial, puderam aprender a baixar pelo servidor "4shared", pegar as legendas dos filmes, assim como coloquei links de alguns tutoriais que já tem no blog.

    Só vos peço que prestem atenção no tutorial, para que não andem sempre com essa dúvida que é extremamente simples de resolver, ok!?
    Bem, vamos começar..

    Vou explicar com o filme "Prazeres Proibidos", postado pelo nosso amigo Dank.

    1 - Primeiro precisamos de baixar o torrent e a legenda do filme, certo?
    Cliquem no link que está dentro do circulo azul (1ª Imagem), com o seguinte nome "DOWNLOAD TORRENT E LEGENDA".

    1ª Imagem

    Image and video hosting by TinyPic



    2 - Após ter clicado no link acima o que faço ?
    É muito simples, cliquem em "Download Now" como amostra na "2ª Imagem". E esperem 10 secundos.

    2ª Imagem
    Image and video hosting by TinyPic

    3 - Após ter esperado os 10 segundos..
    Após os 10 segundos, irá aparecer um outro link como amostra na 3ª Imagem.
    Cliquem no link "Click here to download this file" e salvem o ficheiro no local que quiserem.

    3ª Imagem

    Image and video hosting by TinyPic

    5 - Após todos estes passos (simples), finalmente temos o ficheiro do filme "Prazeres Proibidos".
    Abra o ficheiro e verá que contém a legenda e o torrent do filme (5ª Imagem).

    O torrent. Como podem ver na extensão do ficheiro após o nome do arquivo tem um ". "(ponto) e "torrent". Isso é chamado de extensão, o "." serve para dividir a extensão do nome do ficheiro.

    E aqui temos a legenda, com a extensão "srt". Quanto as legendas tem vários formatos, mas os mais conhecidos são "srt", "Sub" e "ass". São os unicos formatos que verão aqui no blog.

    5ª Imagem

    Image and video hosting by TinyPic



    Descompactando Arquivos com o WinRAR

    on Comments: (0)



    Descompactando Arquivos com o WinRAR

    Neste tutorial aprenderemos a descompactar arquivos e também gerenciá-los, que é fazer tarefas como adicionar arquivo, excluir e visualizar.

    Já vimos à importância da compactação de arquivos, mas de nada isso adiantaria se não pudéssemos reverter o processo, e fazer essa reversão é justamente descompactar o arquivos. O exemplo mais prático que eu poderia demonstrar seria escrever este tutorial logo após compactá-lo e enviar para o seu e-mail (em anexo), ao recebê-lo você iria descompactá-lo encontrando assim a forma original do arquivo, documento de texto (.doc). Quem não se lembra do exemplo do algodão que mencionei na primeira parte deste tutorial, só quem não leu é claro. No exemplo eu falava do modo como o algodão é prensado para ser transportado e ao chegar ao destino seria descompactado para o uso. Esta facilidade de transporte oferecida pela compactação do algodão é uma boa analogia a melhoria do transporte, pela Internet, de arquivos ZIP ou RAR. Como já vimos algumas definições, vamos ver agora como fazer isso na prática.

    Descompactando arquivos

    Extrair arquivos pelo WinRAR é muito simples e pode ser feito por duas vias principais, que são elas:

    • Pela própria interface do WinRAR
    • Pelo menu de contexto do Windows

    A primeira opção nos permite acessar os arquivos através da interface do próprio programa, enquanto pela segunda podemos fazer extração direta pelo Windows Explorer.

    Com a interface do WinRAR

    Nos tutoriais anteriores já abordei muitos assuntos que envolviam a interface do WinRAR, facilitando assim esta nova tarefa.

    Bem, com o WinRAR aberto para descompactar um arquivo primeiro selecione-o. Isto pode ser feito através da barra de endereço, botão “Um nível acima” e botão “Selecionar Drive”. Após selecioná-lo você terá as seguintes opções para acessar a janela de extração do arquivo.

    • Botão Extrair para
    • Menu Comandos > Extrair para pasta selecionada
    • Botão direito do mouse > Extrair para pasta selecionada
    • Tecla de atalho Alt + E

    Deste o botão “Extrair para”, localizado na barra de ferramentas, é o mais acessível de todos e pode ser visto na figura a seguir.

    Com o arquivo selecionado clique no botão “Extrair para”, ou use um dos métodos abordados, que será mostrada a janela “Caminho e opções de extração”. É nesta janela que podemos mudar alguns atributos antes de fazer a descompressão ou simplesmente aceitar os propostos e clicar em no botão “Ok”. Quando apenas se clica no botão “Ok”, sem mudar, por exemplo, o caminho para extração, o arquivo será extraído na pasta de origem na qual criará uma pasta com o nome do arquivo compactado. A janela “Caminho e opções de extração” guia Geral, pode ser vista na figura a seguir.

    Ao clicar no botão “Exibição” a pasta do caminho de destino será mostrada no quadro do lado direito, serve apenas para localizar a pasta de origem.

    A caixa de seleção “Caminho de destino” contém o caminho onde será extraído o arquivo, este caminho pode ser digitado observando as regras e será criado caso não exista. O caminho pode ser selecionado também através do quadro do lado direito onde são exibidos todos os drives do computador. Observe também que os caminhos usados ficam à disposição, para acessá-los basta clicar na seta do lado direito.

    Na seção “Método de atualização” você pode definir um entre os três métodos de extração, substituição ou atualização. Veja a descrição abaixo.

    • Extrair e substituir arquivos – extrai e substitui todos os arquivos selecionados.
    • Extrair e atualizar arquivos – extrai os arquivos que não estão presentes na pasta de destino e atualiza os arquivos existentes em relação ao arquivo comprimido.
    • Atualiza somente arquivos existentes – apenas atualiza os arquivos existentes em relação ao arquivo comprimido.

    O método mais utilizado e também o padrão do WinRAR é o “Extrair e substituir arquivos”.

    Na seção “Método de substituição” você pode escolher através dos botões de rádio se será exibida uma janela de confirmação, ou não, antes da substituição de arquivos. Quando é escolhida a opção “Substituir sem perguntar” todos os arquivos serão substituídos sem nenhum aviso. Quando a primeira opção esta selecionada uma caixa de aviso é mostrada quando existem arquivos a serem substituídos, veja a caixa na imagem abaixo.




    Selecionando o botão “Sim”, o arquivo atual será substituído, no entanto se existir outro arquivos a ser substituído a janela novamente será exibida. Ao selecionar o botão “Sim p/ Todos”, o arquivo atual será substituído e todos os demais, a vantagem é que a janela não será mais exibida. Através do botão “Renomear”, você muda o nome do arquivo com a finalidade de manter tanto a cópia antiga quanto a nova. A janela Renomear pode ser vista na figura abaixo.

    As opções de negação, disposta abaixo dos botões de confirmação, funcionam semelhantes aos botões de confirmação descritos no parágrafo acima. Existe ainda, o botão “Cancelar” que serve para cancelar a operação.

    Caso você necessite extrair apenas um ou alguns arquivos de um conjunto de arquivos compactados, simplesmente abra o arquivo compactado com um clique duplo que serão mostrados todos os arquivos existentes. Selecione os arquivos desejados e prossiga normalmente a descompressão. Para selecionar arquivos alternados use a tecla Ctrl e para selecionar intervalos use a tecla Shift, já com o atalho Ctrl+A todos os arquivos são selecionados. A seleção também pode ser feita através de máscara, para isto clique no menu “Arquivo”>”Selecionar grupo” que a janela a seguir será exibida.

    Com este método de seleção podemos selecionar grupos de arquivos pelas suas extensões. Por exemplo, se quisermos selecionar somente os arquivos de texto, usaremos a máscara [*.txt]; *.doc (documentos do Word); *.xls (planilhas do Excel); *.pdf (documentos no formato PDF); entre outros. A máscara também pode ser usada para selecionar nomes, por exemplo, se pretendermos selecionar somente os arquivos que comecem com a letra C, digitaremos a seguinte máscara: [d*.*]. Enfim as máscaras podem ser combinadas de várias formas e com isso obteremos resultados diversos.

    Com o menu de contexto do Windows

    Como já falei anteriormente, o menu de contexto do Windows, facilita muito nosso trabalho. Para descompactar os arquivos é bem semelhante com o que se faz quando vamos compactar, apenas é preciso localizar o arquivo, nesse caso o arquivo compactado, e clicar com o botão direito do mouse que será exibido o menu de contexto. Veja como ficaria o menu de contexto no Windows Explorer.

    Temos três opções de extração: “Extrair arquivos...”, “Extrair aqui” e “Extrair para ‘xxx\’”, onde “xxx\” é o nome do arquivo a ser extraído.

    A primeira opção extrai os arquivos da mesma forma que o visto no tópico anterior, abrindo a janela “Caminho e opções de extração”. A opção “Extrair aqui” extrai o conteúdo do arquivo na pasta onde ele se encontra. Já a última opção extrai todo o conteúdo sem janelas de diálogo e cria também uma pasta com o nome do arquivo, onde todos os arquivos ficarão após a descompressão.

    Usando o Assistente para Descompressão

    O assistente é um modo fácil e simples de ser usado tanto para comprimir quanto para extrair e adicionar arquivos.

    Para extrair clique no botão “Assistente” da barra de ferramentas, que pode ser visto na figura abaixo.

    Ao clicar no botão “Assistente” a janela Assistente será aberta. Selecione a opção “Descomprimir um arquivo” e clique no botão “Avançar”. Com as outras duas opções você pode comprimir um arquivo ou adicionar um arquivo a um existente. Veja a imagem do Assistente abaixo.



    Clique no botão “Avançar >”, depois clique novamente, pois o caminho do arquivo já estará selecionado, visto que selecionamos o arquivo antes de abrir o Assistente. Na próxima etapa você pode selecionar uma pasta para extrair os arquivos através do botão “Procurar...”, depois é só clicar em concluir e pronto.

    Outras Operações com Arquivos Compactados

    Existem muitas outras operações que se pode fazer com um arquivo compactado, por exemplo, testar se tem erros, visualizar o conteúdo, excluir, exibir informações e gerar relatórios.

    Para verificar se existe algum erro no arquivo é só selecioná-lo e clicar no botão “Testar” na barra de ferramentas. Se não houver nenhum problema a mensagem, a seguir, será exibida. Caso haja algum problema é só usar o botão “Recuperar” (abaixo à direita) e tentar corrigir o erro.


    Através do botão “Informações”, podemos acessar todas as informações do arquivo selecionado.

    Para excluir algum arquivo, selecione-o depois clique no botão correspondente na barra de ferramentas.

    Um relatório, como o próprio nome já diz, é muito útil para nos dar informações de tudo que aconteceu com o arquivo. Para produzir um relatório de algum arquivo, selecione-o depois acesse o menu “Ferramentas”>”Gerar relatório” (Alt+G), através desta opção você pode produzir um relatório tanto no formato TXT(arquivo de texto) como em HTM(página da Web). Veja o relatório no formato HTM, na imagem abaixo.




    Veja que é disponibilizado a data, hora, tamanho e nomes dos arquivos que foram adicionados na compressão.

    Outra opção interessante são os favoritos. Através desta opção você pode adicionar arquivos que podem ser acessado fácil e rapidamente de outra vez.

    Existem muitas outras opções interessantes que não são bastante usuais, mas que podem ser exploradas, assim como as dicas de atalho contidas ao lado de cada comando.

    Neste tutorial foi abordados métodos de descompressão de arquivo e também algumas operações para facilitar o uso do programa, bem como o uso do assistente para extrair arquivos. Espero que este tutorial seja de grande proveito para você.

    Até o próximo tutorial.